in

Conheça os melhores traços das pessoas nascidas em novembro

kfiatki

As pessoas nascidas em novembro são atraentes por natureza: atraem a atenção para si como as abelhas são atraídas pelo mel. São muito queridas, alegres e espirituosas, mas acabam atraindo – também – inveja para si, pois aonde vão costumam ganhar a atenção de todos.

As pessoas nascidas nesse mês também são bem diferentes, possuem uma personalidade única, gostam de fazer as coisas sempre do seu jeito e suas ideias fogem ao comum e ao normal, eles gostam de pensar diferente de todos e sua maneira de fazer as coisas é tão marcante que deixam fortes impressões naqueles que se encontram com eles. 

Nascidos em novembro são leais e trabalhadores

As pessoas nascidas em novembro são muito leias e você pode confiar cegamente nelas. É muito difícil alguém se decepcionar com uma pessoa de Novembro, pois a sua lealdade é sua principal marca e isso acontece em todas as áreas da sua vida, relacionamentos, amizades, parceiros. Você poderá confiar neles com todo o coração e não irá ficar decepcionado.

São completamente zelosos naquilo que fazem, gostam de fazer as coisas sem precisar correr, pois com tempo poderão corrigir se algo der errado, são comprometidos com o trabalho e o nome trabalhador pode ser dado a alguém nascido nesse mês.  

Eles precisam de seu próprio espaço  e são muito teimosos

Podem ser extremamente misteriosos e não gostam que as outras pessoas conheçam seus segredos, mas isso só acontece porque eles têm medo do julgamento dos outros, apesar de gostarem muito de sua privacidade e de seu espaço eles sempre estarão prontos a ajudar caso você necessite deles.

Geralmente eles são muito teimosos, só acreditam naquilo que pensam ser o certo, não gostam muito de aceitar o fato de estarem errados em algumas situações, respeitam muito a opinião de outras pessoas, mas deixa bem claro que ama quando os outros respeitam o seu ponto de vista.

Written by cláudinha

Claudinha

Saiba porque os gatos gritam durante o acasalamento

10 vizinhos que não dão a mínima para a ‘política da boa vizinhança’ – PARTE 1