in

Máscara facial feita com sangue menstrual: a nova moda de beleza entre as mulheres

Shutterstock

A nova moda entre as mulheres é a máscara facial com sangue menstrual, e elas dizem que funciona mesmo
.

Para a maioria delas, a menstruação é um período muito incômodo cheios de coisinhas que pioram ainda mais a situação, como as cólicas e o estresse. Porém, outras já acreditam que se trata de um período que está ligado à renovação e tem uma relação direta com o autoconhecimento.

Inclusive, existem mulheres que até estão criando uma rotina de beleza envolvendo fazer uma máscara facial com sangue menstrual com a finalidade de “encontrar a cura em si”.

A prática dessa máscara facial com o sangue menstrual tem se tornando muito popular em alguns grupos que compartilham dicas de cuidados. A atriz Bianca Bin, por exemplo, já confirmou que é uma das adeptas do ritual “Plante Sua Lua”.

 Esse ritual é feito da seguinte forma: a mulher coleta o seu sangue menstrual e depois o utiliza para “regar” as plantas, esse ato seria uma forma de se entender como mulher. Mas será que a máscara facial com sangue é uma técnica caseira de cuidados com a pele que realmente trás para a pele bons resultados?

De acordo com algumas mulheres entrevistadas os resultados em suas peles foram imediatos. Algumas espinhas até secaram completamente e seus poros fecharam deixando a pele mais esticada e brilhante.

Como fazer essa máscara facial com sangue

A maneira de fazer a máscara é muito fácil. A mulher tem apenas que coletar o seu sangue menstrual e se ela usa o coletor menstrual é ainda mais fácil de fazer essa coleta. Você poderá usar dedos ou um pincel de maquiagem bem limpos para passar no rosto. Deixe agir por 15 minutos e enxague.

De acordo com Samantha, uma das mulheres entrevistadas pelo portal IG, a máscara se parece muito com aquela feita com argila, porque o sangue seca e repuxa, esticando a pele.

Written by cláudinha

Claudinha

Amor? Mulher se casa com homem milionário, ele morre e ela tem uma surpresa desagradável

Você acreditou? Saiba as 4 ‘fake news’ mais compartilhadas