in

Caso raro: nascem gêmeas e uma delas tem síndrome de Down

https://g1.globo.com/mt/mato-grosso/noticia/2019/02/04/em-caso-raro-mae-tem-gemeas-e-uma-delas-com-sindrome-de-down-em-mt-descobri-apenas-no-dia-do-parto.ghtml

Raquel Cimi, de 36 anos, só soube no dia de nascimento das filhas, 4 de outubro de 2017, que uma delas tem Síndrome de Down.

A probabilidade de um gêmeo nascer com a Síndrome de Down e outro não, é de uma ou duas a cada 1 milhão, segundo os especialistas. 

Publicidade

Esse caso raro aconteceu em Sorriso, cidade a 420 Km de Cuiabá, a fisioterapeuta Raquel conta que sabia da possibilidade de que uma das filhas pudesse nascer com uma síndrome, porém não sabia qual o tipo.  


“Com 12 semanas de gestão, fiz o exame de translucência nucal – ultrassom que faz a medida atrás da nuca – e apareceu uma medida acima do normal. Não acreditei e repeti o exame no mesmo dia”
, afirma. 

Publicidade

Com a preocupação em mente, Raquel reforçou os exames de rotina para descobrir a deficiência que uma de suas filhas teria, mas não obteve nenhum resultado. 

Os exames feitos mostraram que havia uma alteração, mas o resultado era inconclusivo, havia muitas possibilidades de diferentes síndromes, não sendo possível, naquele momento, a confirmação do que seria. 

A solução para a jovem mãe era a realização de um exame invasivo, que representava riscos de aborto, o qual decidiu por não fazê-lo. 


“Passei toda a gestação angustiada e perdi a vontade de fazer qualquer outro exame. Eu chorava muito, não dormia mais, estava desesperada”
, revelou. 

Com todas as dificuldades enfrentadas em sua gestação e com o apoio do seu marido, Raquel não perdeu as esperanças e continuou o acompanhamento com o seu médico, logo notou que sua filha Luíza havia se desenvolvido.  

A fisioterapeuta acrescenta que ter gêmeos estava entre seus maiores sonhos e que nunca imaginou ser mãe de uma criança especial, mas aceitou e percebeu que sua filha Luíza é uma criança normal, perfeita como sua irmã gêmea. 

Hoje as gêmeas Luíza Wurzius, que nasceu com a síndrome, e Lívia Wurzius, estão com um ano de idade, e levam uma vida normal, as gêmeas se dão muito bem, são crianças carinhosas principalmente com a irmã mais velha do casal. 

Raquel declarou que procura tratar todas as filhas de forma igual, apesar de suas diferenças, ela ressaltou que não quer que a Luíza se sinta diferente pela deficiência, quer que as filhas tenham uma vida normal e sem restrições. 

Publicidade

Leia Também

Next post

O que mulher faz com cachorro que a esperou por 6 meses em aeroporto vai fazer você chorar

Como está o filho de Eliza Samudio mais de oito anos após o crime? Aos prantos, avó revela